Music

Music

O Meu Nome É Qualquer Um

by Romulo Fróes & César Lacerda

  • Label: ybmusic
  • Genres: MPB, Brazilian
  • Release Date: Nov 4, 2016
  • Liner Notes
  • Label: ybmusic
  • Genres: MPB, Brazilian
  • Release Date: Nov 4, 2016

César Lacerda e Romulo Fróes_ O Meu Nome é Qualquer Um

Fui de quem chamou meu nome. O meu nome é qualquer um!”

A vida é formada pelos encontros. A cada um deles, o mundo e as pessoas vão aprofundando as suas experiências e modificando as suas percepções, formando assim, novas configurações de reflexão sobre a existência. Com César Lacerda e Romulo Fróes não foi diferente. Os dois artistas se conheceram e em apenas dois meses compuseram vinte canções. Treze delas formam o disco inédito, O Meu Nome é Qualquer Um, com lançamento em outubro de 2016 pelos selos YB music e Circus. Todo o processo de feitura deste trabalho, composição, ensaios, gravação, tudo se deu com a urgência de apenas seis meses!

No disco, uma espécie de anti-herói contemporâneo percorre o Brasil de agora tentando compreender a complexa miríade de assuntos à sua volta. O problema racial, o terceiro sexo, as redes sociais, o assassinato de crianças negras na favela, o amor, a morte. A ambiciosa cartografia reflete o protagonismo inquieto destes dois importantes artistas da cena contemporânea de música popular brasileira.

Romulo Fróes é cantor e compositor paulistano. Tem em sua discografia sete discos solos lançados e três discos com o Passo Torto, grupo do qual faz parte junto a Kiko Dinucci, Rodrigo Campos e Marcelo Cabral, sendo o mais recente, uma parceria entre o grupo e a cantora Ná Ozzetti. Atuante na cena musical contemporânea, é um de seus principais interlocutores, tendo publicado textos críticos sobre a música brasileira em diversos veículos da imprensa, realizado documentários, trilhas sonoras, curadorias musicais, além de produzir e dirigir discos e shows de outros artistas como Elza Soares, Rodrigo Campos e Juliana Pedigão. Além das já citadas Elza Soares, Ná Ozzetti e Juliana Perdigão, suas composições já foram gravadas por diversas cantoras como Juçara Marçal, Nina Becker, Mariana Aydar, Jussara Silveira, Juliana Perdigão, entre outras. 

Já o cantor, músico multi-instrumentista e compositor César Lacerda é mineiro de Diamantina, passou a sua adolescência em Belo Horizonte, viveu por oito anos no Rio de Janeiro, e atualmente, vive em São Paulo. Lançou em 2013 o seu primeiro disco, "Porquê da Voz", que conta com as participações de artistas como Lenine e do quarteto de cordas europeu, Taron. Em 2015, lançou o seu segundo álbum, “Paralelos & Infinitos”, onde executa quase todos os instrumentos. O músico já se apresentou em sete países em prestigiados teatros e casas de show, e têm parcerias musicais com artistas como Paulinho Moska, Matheus Nachtergaele, Paulo Miklos, Marcelo Jeneci, Romulo Fróes, Eucanaã Ferraz e Roberta Campos. Suas canções já foram gravadas por artistas como Filipe Catto, Aíla, Graveola e o Lixo Polifônico, Duda Brack, Julia Bosco, entre outros.

 O encontro desses dois artistas é motivo de celebração, e confirma a riqueza das suas trajetórias. A importância dos seus trabalhos revela inquietude estética e uma busca incessante pela reformulação da ideia de canção. O Meu Nome é Qualquer Um, é espelho que reflete com beleza e afrontamento não apenas o Brasil contemporâneo, mas também a relevância de César Lacerda e Romulo Fróes para a música feita hoje no país.

__________________________________________________________________________

O Meu Nome é Qualquer umpor Rodrigo Campos

O homem contemporâneo chora o esvaziamento do masculino. Poderia celebrar, por outro lado, a chegada inexorável da dúvida. Essa dúvida poderá vir a ser a afirmação deste novo homem. Mas ainda é cedo. Por enquanto, ele vaga, espera, observa, dá um passo tímido e volta dois atrás. Qual será seu novo plano? Se a mulher avança com o feminino pra uma totalidade, ampliando, inclusive, a abrangência de gêneros dentro do feminino, o homem se fragmenta e se desconecta do ideal masculino. E nesse processo de fragmentação, mesmo que hesitante, ele imagina: “chamo pelo nome / imagino um homem / ou caminho devagar?”, e se pergunta: “como vai o homem junto de outro homem / como devo lhe chamar?”. Os versos citados são da canção O Homem Que Sumiu”, espécie de epitáfio do homem enquanto ser exclusivamente masculino. Não dá pra dizer que não dói ver morrer assim o masculino. Basta lembrar nossos pais, avós, nossa herança familiar, cultural. Basta lembrar o verso de Luiz Melodia cruzando a linha do masculino no sentido oposto: “machismo elegância paterna”. Mas esse homem sumindo, depois desse processo de fragmentação, talvez possa retornar inteiro, exercendo todas as facetas de um ser humano complexo. Esse é o vislumbre de O Meu Nome é Qualquer Um. 

  • 1. O Meu Nome É Qualquer Um 2:52
    Artist: Romulo Fróes & César Lacerda Share
  • 2. Flecha Empenada 3:19
    Artist: Romulo Fróes & César Lacerda Share
  • 3. A Estatística 2:52
    Artist: Romulo Fróes & César Lacerda Share
  • 4. Faz Parar 4:05
    Artist: Romulo Fróes & César Lacerda Share
  • 5. O Homem Que Sumiu 2:59
    Artist: Romulo Fróes & César Lacerda Share
  • 6. Ponto Final 3:44
    Artist: Romulo Fróes & César Lacerda Share
  • 7. Tique Taque 4:45
    Artist: Romulo Fróes & César Lacerda Share
  • 8. Eu Sou Você 3:04
    Artist: Romulo Fróes & César Lacerda Share
  • 9. Manda Brasa 2:46
    Artist: Romulo Fróes & César Lacerda Share
  • 10. Transa Qualquer Um 5:35
    Artist: Romulo Fróes & César Lacerda Share
  • 11. Antepenúltimo Paralelepípedo 2:39
    Artist: Romulo Fróes & César Lacerda Share
  • 12. Todo o Mundo em Mim 2:22
    Artist: Romulo Fróes & César Lacerda Share
  • 13. Em Mim 2:07
    Artist: Romulo Fróes & César Lacerda Share

Discography

Top of page
requires your email address in exchange for this free download. Continue with this download?

OK Cancel

requires an email address in exchange for this free download. Please login or create an account. Once you are logged in, you can download as many tracks as you wish.

Sign up Log in Cancel